A história emocionante de Cody Garbrandt e Maddux Maple
Maddux Maple e Cody Garbrandt (Foto: Christopher Nolan, Metcon Photos, LLC)

A história emocionante de Cody Garbrandt e Maddux Maple

Cody Garbrandt era o azarão contra o experiente Marcus Brimage no UFC 182. Porém, isso era apenas nas bolsas de apostas, já que qualquer um que o conhecou na sua juventude teria sacado que ele prefere destruir interrogações do que ficar em destaque.

O pai dele foi ausente em sua vida, e atualmente está preso em Ohio, cidade natal de Garbrandt por vários crimes que cometeu, assim como um dos tios do atleta do UFC. A prisão era um lugar comum na família de Cody, visto que até Robert, o tio que lhe criou, tinha problemas com a lei.

Cody inicialmente seguiu este caminho. Ele foi expulso da escola por brigar, e logo mais estava vendendo drogas, se metendo em confusão. Não havia nenhuma expectativas sobre ele além dele trabalhar em minas de carvão ou pior: ser mais detento na penitenciária de Tuscarawas.

Porém, antes disso aconteceu algo mágico, que o salvou, podendo-se comparar com um anjo. E o que os apostadores não sabiam é que Garbrandt não iria perder sua luta contra Brimage.

Garbrandt, que aprendeu a nobre arte de boxear desde jovem, mostrou uma movimentação superior, com todo seu jogo de pernas e variados ângulos, que o levaram a nocautear Marcus Brimage com dez segundos restantes no cronometro.

Cody Garbrandt havia vencido.

Em seu discurso pós-luta, ele falou que havia um pequeno garoto na platéia que havia batalhado contra a leucemia. Cody afirmou que a três anos e meio atrás havia dito ao garotinho que ele iria chegar no UFC e vencer, e que o menino iria derrotar a terrível doença.

O nome do garoto é Maddux Maple. Ele estava na seção 216 da MGM Grand Garden Arena com sua família. Ele chorou lágrimas de alegria, por que ambos cumpriram sua promessa um pelo outro.

 


Cody conheceu Maddux por meio de seu irmão, Zach Garbrandt, em 2011. Morando em Dennison, uma pequena cidade perto de onde Garbrandt cresceu, Maple havia acabado de ser diagnosticado com leucemia, com apenas cinco anos, no ínicio da idade d’onde suas memórias começam a ser retidas.

“Maddux fez cinco anos em abril, e descobrimos a doença em junho,” conta Mic Maple, pai do garoto. “Nós achávamos que era apendicite, logo o levamos para o hospital, e após alguns exames, diagnosticaram a leucemia. Na quarta-feira fizeram um exame nos ossos para confirma e na quinta começou a quimioterapia.

“Foi uma semana louca. Nós fomos para o hospital na segunda achando que apendicite e na quinta ele estava fazendo quimioterapia. Foi como… o que diabos aconteceu?

Um mês depois da triste notícia, Zach – irmão de Cody e também campeão estadual de wrestling – descobriu sobre a história de Maddux, e contou ao seu irmão, recomendado que ele fosse saber mais sobre. Garbrandt estava tentando iniciar sua jornada no MMA, mas estava fazendo péssimas decisões para sua carreira.

Porém, tudo isso mudo. Ele contatou Mic pelo facebook e perguntou se ele poderia visitar Maddux assim que ele retornasse para casa. Foi a primeira boa decisão que Cody tomou.

“Nós recebemos milhares de pessoas que não conhecemos”, conta o pai de Maddux. “Nós ouvimos falar de Cody, que vinha assim como nós de uma cidade pequena, mas nunca tínhamos nos conhecido pessoalmente. Ele chegou para mim e falou que queria conhecer o Maddux e dar a ele uma pequena coisa. Eu não fiz questão, ele tinha apenas 19 anos, achei que ele apenas estava sendo gentil conosco, porém ele nos enviou uma mensagem assim que Maddux saiu do hospital, perguntando se ele estava saudável o suficiente para poder visitá-lo, e eu permiti.

Cody ficou uma hora e meia falando com um Maddux tímido e de voz mansa. Como um adolescente problemático que tinha apenas algumas lutas de boxe amador no currículo, abastecido com um mal sentimento vindo de seu pai, ele percebeu algo sobre ele naquele dia. Ele estava voluntariamente jogando sua vida fora, e na frente dele estava uma inocente criança que foi obrigado a lutar pela próprio vida antes mesmo de começá-la. Maddux não teve nem sequer a chance de falhar. A única opção dele era o sucesso. Para ele, nada na vida foi “de graça”.

Logo menos, dois estranhos que se conheceram naquele dia, o lutador e o garoto, sendo que esses títulos podem ser intercambiáveis. E sem dúvida, esse dois estranhos se tornaram imediatamente guias um do outro para as noites mais escuras.

“Aquele garotinho definitivamente me ajudou a mudar de vida quando eu precisava, e eu precisava crescer”, afirma Cody. “Ele apareceu na minha vida na hora certa, numa horrível circunstância, mas nós estávamos prontos para formar nosso próprio história miraculosa.”

Cody estava treinando na Strong Style Martial Arts quando seu irmão sugeriu que ele levasse Maddux para o acompanhar até o cage no NAAFS: Caged Vengeance 10.

“Meu irmão falou que eu deveria fazer uma doação com o dinheiro dos ingresso daquela luta”, conta. “Eu queria mostrar a ele [Maddux] que nós somos realmente unidos. Eu queria mostrá-lo que ele não precisa lutar sozinho, que nós lutaremos com ele. Chamei mutas pessoas para a luta, e doei todo o dinheiro dos ingressos para as despesas médicas dele, ou até mesmo para uma viagem de férias na Disney, já que ele sentia muita falta. Eu só queria dar-lhe algo. Uma pequena esperança para continuar lutando.”

Cody conseguiu levantar mais de 15 mil dólares para Maddu desde aquela luta, e Maddux está com ele durante toda sua estrada. Assim que Garbrandt se profissionalizou e oficializou a busca pelo UFC, Maddux continuava tomando seus remédios da quimioterapia. Ele fez isso por dois anos consecutivos, mas quando ele atingiu os sete anos de idade, ele começou a perder sua vontade de lutar.

“Mais ou menos em janeiro ou fevereiro do ano passado, ele começou a dificultar para tomar as pílulas, ele as deixava na boca por muito tempo, ele não conseguia engolir, parecia uma espécie de bloqueio mental, até que ele desistiu e falou que não queria tomar mais remédios. Eu fiquei chocado, como se nós estivéssemos desistindo na reta final do tratamento”, conta Mic.

Foi aí que Mic enviou uma mensagem para Cody, e os dois fizeram um pacto para superar as grande dúvidas e dificuldades das suas respectivas jornadas.

“Eles conversaram bastante, Cody até enviou um vídeo afirmando que ele não poderia desistir, que tinha que terminar forte,” conta o pai. “Eu estou aqui ralando pra caramba, e acho que terei uma oportunidade daqui a um anos ou dois. Você tem que me prometer, você encara o tratamento, encara os remédios, termina a quimioterapia, derrota o cancêr e eu te juro, te prometo que irei chegar no UFC, vencerei e você estará lá”, disse Cody no vídeo.

“E eu juro por Deus, juro pra você que ele tomou os remédios naquela noite, e seguiu assim até o fim do tratamento. Cody destruiu o bloqueio mental dele e o motivou”, afirmou o pai do garoto.

Cody, agora com uma missão, venceu cinco lutas em sequência, e acabou se mudando para Sacramento, numa busca de evoluir e melhorar seus treinos. Ao ajudar no camp de Joseph Benavidez para enfrentar Dustin Ortiz, ele acabou encontrando o matchmaker do UFC Sean Shelby, que lhe deu a tão sonhada oportunidade.

Garbrandt, que carrega o apelido de “No Love” estava no UFC, o que significava meio caminho andado para sua promessa, porém o garotinho de Ohio já estava a um passo da frente do lutador.

No dia 25 de agosto, Maddux tomou seu último remédio de quimioterapia. Seu câncer havia entrado em remissão total.

Era por isso que Cody não iria perder no UFC 182. Maddux, junto com seu pai Mic, sua mãe Stephanie e sua pequena Makyah estavam no MGM Grand Garden Arena para conferir o desfecho do pacto. Todd Meldrum, dono do restaurante-clube Martini 97, um dos patrocinadores de Cody, bancou a viagem da família.

Quando Garbrandt finalmente derrotou Brimage, todas as promessas foram cumpridas. É raro ver essas coisas na vida real, mas aconteceram para Cody e Maddux.

“Vê-lo tão emocionado, balançando a bandeira, foi o melhor sentimento da minha vida”, afirma Cody. “Eu nunca tinha sentido isso. A vitória foi muito legal, mas depois de ver aquilo, tudo foi colocado em sua real perspectiva. O tanto que trabalhei, o tanto de lágrimas de dor choradas por ele nesses três anos, e ver agora aquelas lágrimas de alegria realmente me marcaram.”

Garbrandt continou a falar sobre o garotinho:

“Aquele garoto fez com que eu vivesse com um motivo para viver, vendo ele lutar pela vidas nos últimos três anos e meio, junto com sua família, me fez percerber que eles são muito fortes! Fora que ele é bastante otimista mesmo novo. Maddux me deu uma perspectiva de vida, e eu estou vivendo e lutando com uma razão. Eu tenho muito orgulho de têr-lo me ajudando na minha carreira”

O próximo objetivo de ambos é conseguir com que Maddux entre junto de Cody na próxima luta do UFC, e o do pequeno garoto, é finalmente retirar a sonda que era utilizada para os remédios durante os três anos e meio de quimioterapia, e de acordo com o pai dele, isso poderá acontecer no próximo mês.

E qualquer coisa que acontecer daqui em diante, não mudará na do que já foi feito. O garoto e lutador. Cody, a inspiração positiva que ele nunca teve, e Maddux, o sobrevivente, o modelo e a inspiração.

Ele é o maior fã de Cody Garbrandt.

“Ele é meu irmãozão e eu o amo demais”, conta Maddux Mable. “Ele significa tudo para mim.”

Texto de Chuck Mindenhall para o website MMAFighting.com.

Sobre Tiago Paiva

Baiano, boêmio e fã de brigas regulamentadas em octógonos ou quadriláteros.
  • EMOCIONANTE MESMO O CARA EH GUERREIRO EXEMPLO PRA NOIS!!!!!

    O MUNDO EH COMPLICADO MESMO TANTA GENTE SEM CABELO QUERENDO SE TORNAR MONGE E ELE COM NAO TEM COMO TER POR CAUSA DE DOENÇA..MAS FAZ PARTE…LUTAR E SEGUIR EM FRNTE GUERREIROS!